Pesquisa

A sinistralidade dos ciclomotores e motociclos

ANCIA comenta declarações do Governo sobre motos

Notícias
Ao tomar conhecimento das declarações do Senhor Ministro da Administração sobre a classe dos ciclomotores e motociclos, a ANCIA considera que esta disponibilidade do Governo pode ser um primeiro passo
Autor Simone Graciano 
Data 12-01-2018 
Paulo Areal, Presidente da ANCIA
Ao tomar conhecimento das declarações do Senhor Ministro da Administração Interna relativamente à necessária e urgente promoção de medidas concretas de controlo da sinistralidade rodoviária, designadamente na classe dos ciclomotores e motociclos, a ANCIA considera que esta disponibilidade do Governo pode ser um primeiro passo no sentido adequado a uma solução de médio prazo.

Os números documentados pelo relatório da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) revelam um aumento brutal das mortes resultantes de acidentes com estes veículos, pelo que a nova atitude do Governo revela um reconhecimento da realidade que constituirá certamente o início de um processo de concertação com vista ao controlo do fenómeno.

Enquanto parceiro social do setor da mobilidade, fortemente comprometido com os objetivos nacionais e europeus de incremento da segurança e diminuição do risco rodoviário, a ANCIA sempre tem defendido que a par das mudanças culturais dos utilizadores há que promover, entre outras medidas, o controlo sistemático do risco técnico dos veículos, dando execução ao diploma publicado em 2012 mas até agora não aplicado pelo Governo e Reguladores.

A ANCIA lamenta profundamente que tenha sido necessária uma evidência dos números da sinistralidade com estes veículos para motivar a ação política mas releva a lucidez e coragem de quem agora promova uma ação determinada no sentido de evitar que a mortandade continue a subir nas estradas portuguesas.
 
Paulo Areal, presidente da ANCIA, garante que os centros estão preparados para inspecionar motos

Paulo Areal diz que os centros de inspeção estão à espera de uma decisão política


O ministro do Planeamento e das Infraestruturas disse que as inspeções a motas estarão prontas até ao final deste ano